Arquivo da categoria: Telecomunicações

Programa TV 2.0: A TV debate a TV (um acontecimento no bate-rebate do não-acontecimento)

Hélio CostaJ. M. Roberts, em sua obra O Livro de Ouro da História do Mundo – um pretensioso apanhado de todos os ditos relevantes acontecimentos que marcaram a história da humanidade de 25 milhões de anos para cá – declara em seu prefácio acerca do desafio de se escrever um livro de tamanha abrangência que “num relato tão abreviado da História mundial só há espaço para se destacar alguns poucos nomes de pessoas: das que mudaram as possibilidades disponíveis aos seus semelhantes”. Respeitando este critério do impacto de um ser humano nas “possibilidades disponíveis aos seus semelhantes” e dado o suposto poder delegado a um único indivíduo, nosso excelentíssimo ministro das Comunicações, Hélio Costa, certamente estaria entre os últimos colocados de qualquer lista histórica, fosse ela mundial, nacional, ou meramente restrita a Grande São Paulo, tal qual a “estréia” da TV Digital Brasileira.

Sr. Costa dizia em 2005 que os paulistanos poderiam assistir a Copa do Mundo de 2006 com imagens da TV Digital (todos assistiram ao fiasco brasileiro em analógico), teimou na viabilidade de conversores a R$ 200 ou menos (os conversores estão hoje entre R$ 400 a R$ 1500), discursou ainda acerca da interatividade (não foi integrada aos equipamentos no prazo), da multiprogramação (não interessou às radiofusoras) e da mobilidade (não interessou às teles, não existindo aparelhos compatíveis com a tecnologia no Brasil). Diante das potencialidades por hora exaustivamente anunciadas, Sr. Costa foi na verdade mais do que o protagonista, incorporando a fidedigna personificação de um dos maiores não-acontecimentos à percepção popular que se tem notícia da história da televisão brasileira, cuja irrelevância torna-se ainda mais patente diante do claro impacto primeiro da chegada da televisão em 1950 – em contraposição a anterior simples ausência do aparelho – e da evidente estréia da televisão a cores em 1972 – em contraposição as imagens antes em sóbrios preto e branco.

TV 2.0

Continuar lendo

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Conversores, Early Adopters, Grande Mídia, Hélio Costa, História do Brasil, Imagem, interatividade, Jornalismo, Manipulação, Mídia de Massa, Novas Mídias, Política, Telecomunicações, Televisão, TV 2.0, TV Aberta, TV Digital, UFF, You Tube

O falacioso discurso da TV Digital: da interatividade

Interatividade. Substantivo feminino: ato ou faculdade de diálogo intercambiável entre o usuário de um sistema e a máquina, mediante um terminal equipado de tela de visualização. Etimologia: inter- + atividade. Teríamos algo como “ação no espaço”. Axiomático, não? O irônico é que a dita “qualidade do que é ativo”, da concepção do termo “atividade”, apresenta de imediato um contraste abismal com a essencialmente limitante linguagem televisiva e absolutamente passivo telespectador.

 

Como senso comum, a televisão é um meio de comunicação fundamentalmente passivo e massificado, em razão de fatores como, de maneira bastante genérica, da necessidade de impactar um grande número de espectadores para viabilização da produção dos programas – o que evidentemente requer um conteúdo e uma linguagem de fácil absorção à maioria – ao envio do sinal televisivo de um para muitos. Trata-se da própria definição do conceito de Broadcast, cuja principal característica é a de que a mesma informação é enviada para muitos receptores ao mesmo tempo, propriedade esta que nem mesmo a ascensão do sinal digital poderá por hora modificar.

 

Dedo na ferida

 

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Conteúdo, Conversor, Globo, Grande Mídia, História do Brasil, Indústria, interatividade, Internet, Manipulação, Publicidade, Telecomunicações, Televisão, TV Aberta, TV Digital, TV Paga, Via prussiana

O falacioso discurso da TV Digital: da ilimitabilidade do conteúdo

No momento em que a transição da TV Analógica para a TV Digital finalmente efetivar-se, as possibilidades de envio de conteúdo constatavelmente se ampliarão. Tecnicamente falando, na mesma faixa de freqüência hoje empregada – de 6 MHz – poderiam ser muito em breve transmitidos até 4 canais simultâneos no mesmo espaço, ao invés do atual – somente 1 canal. Tal façanha só é possível em razão da digitalização da TV e da ascensão de uma tecnologia de compressão de dados que “empacota” e agrupa as informações de maneira mais eficiente.

 

Apenas relembrando, qualquer forma de vídeo que possamos assistir, seja ele digital ou analógico, do filme Tropa de Elite no cinema, passando pela clássico San-São na TV, ao vídeo “In The Jungle” no You Tube, é na realidade uma seqüência de sucessivas imagens que, por passarem rapidamente, são interpretadas pelo nosso cérebro como uma percepção contínua, nos dando assim uma sensação de movimento, através do conhecido fenômeno da persistência retiniana.

 

Sequência de Imagens

Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Compressão, Conteúdo, História do Brasil, Manipulação, Mídia de Massa, Novas Mídias, Publicidade, Telecomunicações, Televisão, TV Aberta, TV Digital, Vídeo, You Tube

Para entender a TV Digital: Bibliografia 4

A Vida DigitalUma já clássica obra de referência (alguns diriam até datada, opinião da qual eu definitivamente não compartilho) para se compreender as extraordinárias mudanças em andamento – e aquelas num futuro próximo – que a transformação de toda e qualquer informação em bits acarretará. Nicholas Negroponte (hoje líder do projeto OLPC – One Laptop per Child) apresenta em seu livro, A Vida Digital, desde os méritos mais imediatos da digitalização dos meios – como a compreensão de dados e a correção de erros, por exemplo, resultando em custos menores às emissoras comerciais bem como som e imagem com qualidade de estúdio aos telespectadores – como em suas conseqüências mais avassaladoras, da manifestação de um conteúdo absolutamente diverso ao surgimento de novos modelos econômicos e, eventualmente, a ascensão de uma indústria caseira da informação e do entretenimento (vide YouTube e afins).

 

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Convergência, Conversor, Negroponte, Novas Mídias, Telecomunicações, Televisão, TV Digital, You Tube

Para entender a TV Digital: Bibliografia 3

A Nova M�dia“Mídia de massa, historicamente, significa produtos de informação e entretenimento centralmente produzidos e padronizados, distribuídos a grandes públicos através de canais distintos. Os novos desafiantes eletrônicos modificam todas essas condições. Muitas vezes, seus produtos não se originam de uma fonte central. (…) Sua inovação mais importante é a distribuição de produtos de voz, vídeo e impressos num canal eletrônico comum, muitas vezes em formatos interativos bidirecionais que dão aos consumidores maior controle sobre os serviços que recebem, sobre quando obtê-los e sob que forma.

No livro A Nova Mídia – A Comunicação de Massa na Era da InformaçãoWilson Dizard Jr. busca contextualizar a tradicional concepção em torno do termo “comunicação de massa” no que seria uma nova era tomada por profundas, abrangentes e velocíssimas mudanças por quais passam a história, a economia, a política e a sociedade no tocante à tecnologia. Wilson Dizard inicia o seu estudo abordando as transformações no cenário americano por quais passaram a TV, segundo ele o mais bem-sucedido meio de comunicação de massa dos tempos modernos, expondo que, durante a década de 90, as três grandes redes americanas – NBC, ABC e CBS – passaram a somar índices de audiência combinada em menos de 50% pela primeira vez desde o início das medições, quantificando uma mudança estrondosa num cenário em que o mesmo índice chegou a ser de mais de 90% por mais de 40 anos.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Indústria, Mídia de Massa, Novas Mídias, Telecomunicações, Televisão

Se não há bandidos, o que dizer então dos mocinhos?

Emissoras e teles duelam por TV digitalÉ absolutamente evidente que, para que se desse início o processo de transição da atual televisão analógica para a futura televisão digital terrestre no Brasil, fez-se necessário, antes de qualquer coisa, a ascensão de uma tecnologia que permitisse a produção do conteúdo e distribuição do sinal televisivo digitalizado, fosse através da possibilidade de se transmitir informações adicionais para correção de erros, fosse por meio da capacidade de compressão de dados. Entretanto, apesar de fundamental a consideração dos aspectos tecnológicos, a questão técnica está longe de ser um fator isolado para a real compreensão dos impactos advindos da transição do analógico para o digital na televisão brasileira, entendimento este que pressupõe a análise de inúmeras variáveis profundamente inter-relacionadas, dos aspectos políticos e econômicos aos sócio-culturais.

Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Convergência, História do Brasil, interatividade, Novas Mídias, Publicidade, Telecomunicações, Televisão, TV Digital